Pular para o conteúdo principal

Um ser humano que vive sem celular - Acredita?


Atendente pergunta:
- Numero do seu celular por favor
- Eu não uso celular.
Moça faz cara de perplexa, e eu ainda arrematei
- Olhe: também não uso relógio. Sou como um aventureiro nômade pelo deserto ou um velejador, eu percebo os horários pela posição do Sol, da Lua e das estrelas, inclusive debaixo das nuvens. E se eu estiver  em um trânsito congestionado da cidade, vou prefiro desfrutar um jornal ou um romance. E outro detalhe: não curto me prender a rotinas.
- Tentei entender, mas tá bom. Mas você precisa ter um celular!
 - Pra mim a chegada do celular não foi tão impactante assim. Achei mais impactante a invenção do NESCAU e do VIDEO GAME.
Atendente deveria era tá doidinha para ter meu numero de celular para outras INTENÇÕES.
- Mas saiba que, o celular passou de ser um objeto de status para ser um instrumento de primeira necessidade.
- Pois para mim o mundo sem celular seria legal. Não curto celular. Não imagino ter que estar disponivel para o mundo todo e  o tempo todo. Não gosto de pagar os tubos "por minuto". Não suporto comportamento de gente que adora exibir o ultimo modelo de aparelho, nem das pessoas que acham que esse aparelho pode ser usado indiscriminadamente em qualquer canto. Por mais que se saiba que não é permitido, sempre tem um retardado com o celular ligado no cinema, no teatro, no avião... E no restaurante então? Um porre. Acho isso uma tremenda grosseria. Eu não apenas me lembro da vida sem celular, como me lembro com saudade daquele tempo. Celular é coleira de gente.
 


Seria bom se um cientista, psicologo ou qualquer criatura pudesse me explicar porque não consigo me entender com CELULAR.
Acreditem que o Mr.Jones aqui, já presentou em um ano quase 12 pessoas com celular. Como? Vocês acham que foi dando presente de aniver e tal? NAO!
Foi perdendo mesmo. Esquecendo, e largando.
Incrível como esse objeto parece não simpatizar com a minha pessoa.
No ano passado foram 10 perdido na Itália.
Esquecia em mesa de bar, restaurante, lanchonete, em cima de balcoes de lojas e até em vestuários e banheiros.
Outro modo de perda é eu colocar em cima do carro, conversar, conversar, e entrar, sair e só lembrar que eu tinha deixado o celular em cima muito tempo depois.
E os apuros que já passei por causa disso?
Uma vez eu esqueci na casa de uma namorada (matriz), quando a OUTRA(filial) ligou, a matriz atendeu. Se ela me devolveu? Sim, da forma que ficou impossível utiliza-lo depois. Ou seria na parede ou na minha cara. Meus reflexos sempre foram ótimos. ahahahah
Ja perdi em clubes também. Certa vez esperava ansioso uma chamada (antes que pensem que só se trata de conquistas), era assunto profissional. E não poderia largar o celular. Só que, realmente não larguei, nem pra ir tomar banho na piscina. ahahahah. Menos um! O coitado nao sabia nadar.
 

"Falar ao celular se tornou algo tão comum hoje em dia que se você pudesse voltar no tempo e contar a Alexander Graham Bell que sua invenção possibilitaria as pessoas se comunicarem com a outra do outro lado do planeta com um aparelhinho pequeno nas mãos, o celular, ele provavelmente não acreditaria, diria que isso é impossível e que você é louco, ainda mais por achar que veio do futuro. Vai saber, né?!" 

Pois é, entao só quem pode explicar esse meu problema é o Graham Bell. Ou me chamaria de louco também? Xiiii
 
"Encontrar alguém que não possui um celular hoje em dia pode parecer algo impossível de acontecer, no entanto ainda há pessoas em pleno século 21 que nunca tiveram contato com esta maquininha viciadora, miserável e comedora de dinheiro."

Quem disse isso? impossivel nada, existe EU.


"O seu celular é como uma parte de seu corpo? Uma pesquisa global mostra que a maioria das pessoas não pode viver sem seu telefone móvel, nunca sai de casa sem ele e, se pudesse escolher, preferiria perder a carteira ao aparelho telefônico."

Se for isso, qual parte do corpo eu perdi? ahahahah opa opa.(pensaram que eu ia dizer outra coisa né?) E uma coisa que eu nunca perco é minha carteira. 


Tem um amigo meu que fica usando o maldito até no banheiro. POR QUE VOCÊ FICA TANTO TEMPO NO BANHEIRO COM A DROGA DO CELULAR ???!!! O QUE VOCÊ FICA FAZENDO P%$#@ ???!!!




Comentários

  1. Eu acho o cel. indispensável, pensa eu voltando da casa da minha mãe a noite com as crias dentro do carro e me fura um pneu? comé que eu fço pra chamar o seguro?
    não tenho como ficar sem de jeito nenhum, vc tem problema de não usar, nunca vi isso...hehehe

    ResponderExcluir
  2. O DIA D PARA A MÚSICA BRASILEIRA.

    A PEC da Música irá à votação no dia 21, quarta feira, às 14h na Câmara dos Deputados e sua participação é decisiva!

    A presença dos músicos, artistas, produtores e outros interessados no tema é fundamental para pressionar os deputados a votarem a favor da PEC. Haverá estrutura para recebê-los e todos estão convidados!

    Precisamos de 308 votos (de um total de 513). Contate os deputados do seu estado e peça que votem a favor. Divulgue a proposta em suas redes de relacionamento, blogs, e-mails etc. Esta é a hora de pressionarmos.

    Dúvidas: Gabinete do Deputado Otavio Leite (autor da proposta)
    Em Brasília: (61) 3215-5437
    No Rio de Janeiro: (21) 3388-6240
    E-mail: tatiana@otavioleite.com.br / gabinete@otavioleite.com.br
    Saiba mais: http://www.otavioleite.com.br/pesquisa.asp?q=pec+da+musica

    ResponderExcluir
  3. Celular faz realmente parte do meu corpo rsrs. Se eu sair sem, parece que esqueci de mim ahahaha.
    E se formos analisar a situação, não é tão importante, afinal vivemos muitos anos sem ele e vivemos bem. Só que inserimos esse costume em nossas vidas, aí ferrou.
    No início, eu estranhava o fato de você não usar celular, mas já me acostumei.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Eu sem celular?? Futebol sem bola...rsrs
    Bjos!

    ResponderExcluir
  5. Dieguito..legal o post, bom celular é uma ferramenta, que usamos sempre mesmo que não seja para trabalhar, mas eu particularmente, ja fui um fissurado, mas hoje nem ligo, rsrsrs paz meu querido!!!

    ResponderExcluir
  6. Já faz muitos e muitos anos, nem me lembro mais quando foi, minha mulher me deu um celular. O problema é que quando eu estava fora, o celular tocava e era ela: "Onde você está?" Na primeira semana eu respondia educadamente. Na segunda a resposta era: "Estou aqui em Roma falando com o Papa." Na terceira semana joguei o celular num rio que passa perto da nossa casa e nunca mais aceitei ou comprei outro. E juro por Deus que até hoje não me fez falta nenhuma o tal aparelhinho bobo.

    ResponderExcluir
  7. Cara, eu estou a mais de 4 anos sem celular, e até agora não tõ sentindo falta nenhuma.

    ResponderExcluir
  8. Sir Diego ! Aquela figura de armadura e celular foi demais!

    Olha, hoje celular para mim tem que ter tudo: falar, caderno telefonico, maquina fotografica, micro computador, e se possível, sonar... sim, se cair numa poça ou vaso sanitário eu consigo efetuar o resgate mais facil do que encontrar o Titanic.

    Cara... como alguem tao comunicativo não tem um celular?!

    Até lá no inferno deve ter celular!

    O meu love está se amarrando nos seus textos, eu leio e mando para ele, ainda bem que tem "translation"...

    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A fórmula da hipocrisia

A Fórmula E por aí vai esse processo de coar e engolir. Coar e engolir. Coar e engolir (…). As máscaras da hipocrisia tapam para que os outros não vejam os seus próprios erros. Cobram para não serem cobrados. Requerem para não serem requeridos. Acusam para não serem acusados. Essa é a fórmula da hipocrisia: coar mosquitos e engolir camelos. Nas mãos possuem um pequeno coador que investiga os erros dos outros. No estômago, milhares de camelos, frutos das suas faltas pessoais. O coador filtra os mínimos pecados alheios. A garganta, que é o coração, observa a passagem de uma manada dos seus pecados. Como atores profissionais têm a capacidade de interpretar, fingir, enganar e até chorar se necessário. As máscaras demonstram homens ideais e mulheres perfeitas. Cuja aparência é digna de prêmio de integridade. Porém, chega o momento em que o camelo “entala” nas gargantas. A máscara é removida, quando não estilhaçada. Vislumbra-se, então, o ser humano na sua essência: Arrogância, infidelidade, …

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…