Pular para o conteúdo principal

Doente, é quem não assume - COMPULSÃO SEXUAL


“Ele só pensa naquilo”. Em alguns casos, o que parece ser um desejo sexual saudável na verdade é uma doença, a chamada compulsão sexual.

Oi pessoal,estou (namorando), tenho 39 anos e também viciado em sexo, como muitos,adoro isso, porém como tudo em excesso causa problemas, eu descobri que tenho “Compulsão sexual”, e resolvi há um tempo procurar um tratamento. Porque uma amiga minha me disse que, o motivo que me empurrava a ser INFIEL, era esse problema. E assim, eu não conseguia me contentar com uma namorada, e acabava dando meus pulos de cerca. Mas quando o amadurecimento enfim começa a apontar (nos sagitarianos após os 40 anos), e também quando conhecemos alguém que sabemos a importância dela em nossas vidas, e que nos dá o impulso de querer melhorar. Sendo assim, ela não tem obrigação de me acompanhar na maratona do sexo. Porque o exagerado sou eu, e não ela.(Diego)

Quero que as pessoas que lêem e até já ouviu falar a respeito desse problema dos compulsivos sexuais, que nada têm a ver com a visão caricata do tarado que saem por aí atacando sexualmente pessoas, e também não necessariamente fazem sexo "n" vezes por dia, alguns nem chegam a colocar em prática o ato sexual, o que os caracteriza são os pensamentos persistentes em torno do sexo, como por exemplo, fantasias sexuais, flertes, sedução, erotismo e romantismo. Existem inúmeros fatores externos e internos que os compulsivos usam o sexo como válvula de escape como remédio.

O importante é saber que esse comportamento sexual obsessivo compulsivo tem controle e os tratamentos mais indicados são: psicoterapia comportamental cognitiva, em alguns casos acompanhamento medicamentoso e como mais uma ferramenta positiva são os grupos de auto- ajuda, por exemplo o D.A.S.A. Dependentes de Amor e Sexo Anônimos.

A compulsão por sexo é um transtorno mais comum do que se imagina. Famosos como o ator David Duchovny, do seriado Californication, assumiu ser uma vítima. Michael Douglas também confessou ser viciado em sexo e já passou por tratamento.

Douglas foi convidado recentemente para interpretar o papel de um magnata com a libido descontrolada para o filme Solitary Man (Homem Solitário). Na trama, o personagem de Michael Doulgas será um homem que vê sua carreira e o casamento serem destruídos, uma das causas é o vício em sexo.



Alguns exemplos:

» Homem de 38 anos, casado havia 10. Nos últimos três anos refere ter mantido contatos sexuais com cerca de 200 pessoas diferentes. Em um casamento que denominava "aberto", cada qual trazia para casa quem desejasse para fazer sexo. Até aqui temos o lado bom das coisas: sexo, prazer e hedonismo.


A questão do comportamento sexual compulsivo o conduz a buscar sexo de modos ansiosos e não apenas pelo prazer que o sexo traz. No trabalho, antes do horário do almoço, buscava incessantemente nos jornais, algum anúncio que proporcionasse sexo no horário livre que teria para almoçar... ainda estava num esquema que o manteria longe de maiores problemas, a exemplo de assediar sexualmente funcionárias (uma atitude sexualmente compulsiva que a maioria de homens não deixaria passar).

Ao retornar do almoço, trabalhava até próximo do final do expediente, retomava o jornal e buscava alguma idéia de como o sexo poderia ser feito antes de retornar a casa e fazer sexo, pela terceira vez, com a esposa. Novamente, a questão não era o número de vezes que este homem fazia sexo, mas a maneira ansiosa pela qual necessitava buscar sexo tantas vezes no dia. Não interessava com quem fizesse sexo, amiga, prostituta, travesti. Não interessava se fosse sexo oral, anal ou vaginal. Tentou experiências homossexuais na ânsia de encontrar prazer. O comportamento sexual compulsivo o conduz a ter dificuldades eréteis devido à ansiedade associada ao sexo em sua busca diária. Outro fator que aponta para o comportamento compulsivo diz respeito ao tempo que gastava de pensamento diário com a necessidade de busca sexual; não se trata de pensar em sexo de modo tranqüilo e motivador, mas de pensar automaticamente e de modo a interferir com as atividades cotidianas. A exigência com o desempenho sexual acima de suas possibilidades físicas o levou a buscar tratamento para algo que não deveria ser um problema.

» Mulher de 32 anos, casada havia 11 anos. Com três filhos e retornando aos estudos universitários à época, passou a travar uma batalha entre os desejos compulsivos sexuais e a busca de satisfação sexual no casamento. Com dificuldades de comunicação no casal, relacionamento entremeado por agressões e hostilidades, esta mulher inicia uma busca por prazer envolvendo-se com professores, médicos e pessoas que encontrava no condomínio onde morava ou que lhe prestavam serviços, a exemplo do mecânico. A ação era mais de sedução e envolvimento emocional, após o que a masturbação solitária e compulsiva se fazia ocorrer. O mecanismo compulsivo aqui de fazia através da masturbação para trazer a calma e tranqüilidade. A condição compulsiva a conduziu a situações complicadas a exemplo de brigas do casal, envolvimentos confusos com vizinhos e comportamento irascível para com amigos e conhecidos. » Rapaz de 19 anos sem experiências sexuais coitais traz queixas de alta ansiedade e dificuldades de relacionamentos interpessoais. A masturbação era a expressão de seu estado compulsivo.

Este comportamento sexual ocorria em média de 6 a 9 vezes ao dia, todos os dias. Mantinha-se trancado em seu quarto, nu, evitando o contato com irmãs e pais. O comportamento sexual servia para diminuir a ansiedade que vivia, como uma medicação ansiolítica. Estes exemplos mostram o lado negativo da busca do sexo como fonte de prazer sexual. Nem sempre isto é assim, mas o que estamos apontando é comportamento de base, formatado por processos de pensamento que tornam o tópico sexo em pensamentos automáticos associados à minimização das ansiedades cotidianas. Todos os compulsivos irão valorizar o prazer obtido do sexo e buscarão isentar-se da responsabilidade sobre os problemas que tem ocorrido em sua vida. A valorização da hipererosia torna-se uma forma de evitarem assumir a responsabilidade por pensamentos sobre os quais não conseguem ter controle, mas que eles mesmos produziram ao longo da vida.(fonte:saúde na internet)

Comentários

  1. Amigo tudo que estrapola uma linha de normalidade passa a ser uma doença e por tanto deve de ser tratada.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  2. Eu penso que há "doenças", que só o são de facto, quando começam a afectar psicologicamente as pessoas. E, como explicas, essa é a altura de procurar ajuda.

    Abraços
    Luísa

    ResponderExcluir
  3. SAUDAÇÕES!
    AMIGO DIEGO,
    Um excelente texto!
    Penso que é mais que natural, a pessoa se dar conta dessa doença e iniciar um tratamento...Nada melhor que viver sem traumas e de bem com a vida!
    Um Post extraordinário!
    Parabéns!LISON.

    ResponderExcluir
  4. Como diria minha vó: "tudo que é demais não presta"

    Mas nada como ver a coisa de outro angulo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. O ser humano é um animal, porém, a maioria procura disfarçar os seus instintos, outros não conseguem, então chamados de doentes ....

    ResponderExcluir
  6. Uma nota prévia: com o que vou escrever, não significa que esteja apoiando o que quer que seja, mas sim um convite à reflexão.......... sim, o que é a normalidade? o que é ser normal?
    Depois de me responderem a esta questão podemos continuar a conversa...

    ResponderExcluir
  7. como o anonimo ai acima bem disse, precisamos entender primeiro o que é normal, o que nos é trasmitido e ensinado como normalidade é realmente o natural comportamento humano?? ou somos bombardeados por informações a todo tempo, dizendo o que é certo e errado, o que é bom ou mau, e assim adquirimos um "caracter humano normal"? daniel.naira@hot.com
    devemos primeiro refletir sobre os principios, para depois chegar a uma definição do que se tratará. não sei se fui claro o bastante, mas é isso

    ResponderExcluir
  8. Descobri que meu companheiro é compulsivo sexual. Ele está se tratando com zetron+diazepam. Gostaria de saber como ajudá-lo. Acho que tambem tenho problema pois isso me excitou muito. Desde que descobri há 5 dias, fico a todo momento pedindo os detalhes das relações que ele teve com as outras mulheres. Será que é saudavel eu ficar perguntando?

    ResponderExcluir
  9. ñ consigo ser fiéu com nem uma companeira sera que ñ achei a companhera ou sou duente ,(dou um super valor au corpo fisico)????

    ResponderExcluir
  10. Sempre vivi a adrenalina do sexo, nunca sai com mulheres mais novas do que eu, sempre sai com mulheres casadas. hoje porem estou casado e tenho uma maravilhosa familia, mas nao consigo para de pensar em sexo e continuo a sair com diferentes mulheres. Agora porem essa adrenalina faz mal para minha saude, tenho transtotorno de panico e fico toda vez deprimido quando saio com outras mulheres. O que faço para nao trair mais

    ResponderExcluir
  11. Peça SEM MEDIDA, em cartaz no Teatro Nair Bello, Shopping Frei Caneca, aborda compulsões (comida, bebida e sexo). Visão bem humorada, mas respeitosa. Vale a pena ver.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…

Dia do inimigo

Muita gente critica a comemoração do Dia do Inimigo. Dizem que é mais uma jogada comercial, uma data inserida no calendário apenas para aumentar os lucros de pistoleiros e espancadores profissionais.Mas nós, que somos de raiz, sabemos apreciar o espírito da coisa. E damos o maior valor àquela tramóia simples, executada sem grandes orçamentos, mas planejada com muito ódio no coração, que é o que importa. Inimigo de verdade não se importa com inflação, crise de alimentos, essas bobagens. Isso só motiva mais.
E como a data se aproxima, hoje vamos fazer um teste para você ver se está pronto para comemorar: 1 – Quantos inimigos você tem?
a) 0
b) 1
c) De 2 a 10
d) Parei de contar2 – Você já se reconciliou com um inimigo?
a) Sim
b) Nunca
c) Algumas vezes, para esfaquear pelas costas em seguida
d) O que é “reconciliar”?3 – Qual o maior motivo para iniciar uma inimizade?
a) Dinheiro
b) Ciúme
c) Inveja
d) Não preciso de motivos4 – Seu(sua) inimigo(a), vamos reconhecer, dá o maior caldo. Você pegaria?
a) Nem …

Alerta as mulheres - Cuidado com as hemorragias na menstruação.

A minha amada por um bom tempo sofreu de hemorragia na menstruação. Ela achava que seria normal, ou algo do tipo que médicos dizem ser disfunção hormonal, ou outra coisa boba. Mas não é! Até o momento que essa hemorragia acaba por interferir na sua vida sexual e principalmente afetando sua saúde. O problema do ser humano, é só procurar ajuda médica quando o problema já está avançado. Então mulheres! Vocês têm que dá um stop aí na sua rotina e tirar um tempo para fazer um check-up e ter a consciência tranquila que fez a sua parte. Não faça isso pensando apenas em você. Pense também, nas pessoas ao seu redor que não se vê nessa vida sem a sua presença. Alguém que te ama, quer você bem porque precisa do seu amor e sua atenção.
"Você já se imaginou ficando menstruada por 3 meses ou mais ininterruptamente? Pois é, não é normal, mas acontece com mais freqüência do que se imagina. No Brasil, essa é uma queixa constante e crescente, em média 30% das mulheres em período reprodutivo se que…