Pular para o conteúdo principal

De Romântico e Louco, Todo Mundo Tem um Pouco!

Abrindo espaço para uma trilogia de colunas com temas polêmicos e interessantes.
A estréia será da escritora Jackie Freitas ( Dona de um blog que vale a pena ler o brilhante conteúdo que ela tem por lá)




"Ah... Como seria bom se vendesse em lojas de departamentos, poções mágicas de amor. Seria a cura para almas solitárias e perdidas ou seria a perdição de almas curadas!
O amor tem suas belezas e encantos, mas também carrega em si muita loucura. Faz de crianças, adultos envelhecidos e de velhos, crianças imaturas. Quantos de nós somos flagrados cometendo as maiores sandices e passamos imunes, despercebidos, considerados normais, porque para o amor, nada se torna ridículo e tudo é justificável.

Tenho uma amiga que de tanto amor, gostava de sufocar o seu amado! Sufocava-lhe com seus beijos apaixonados e intermináveis, com as repetidas frases “eu te amo” e “serei para sempre sua”. Nada lhe parecia estranho...  Tampouco ridículo. Lembro que numa viagem que fizemos para Campos do Jordão, sem querer entrei em seu quarto e me assustei por vê-los totalmente cobertos por um pesado edredom. Visivelmente não estavam fazendo nada demais, bom, pelo menos se fosse o que pensaríamos, seria até normal entre um casal; porém o que eles estavam fazendo de verdade? Pasmem, mas estavam compartilhando o cheiro de um pum! É, isso mesmo! Estavam na sessão “sufocamento”! Ela fazia um pum e cobria a cabeça dos dois para que juntos fossem inebriados por esse estranho aroma. Para eles, amar significava, inclusive, compartilhar puns! Até hoje não consigo entender essa filosofia, mas uma coisa é certa: aquilo devia ser viciante e apaixonante. Eles eram simplesmente malucos um pelo outro e viviam em permanente estado de êxtase. OK, êxtase do pum, mas estavam sempre com aquelas caras “maluco beleza”. Casaram-se, tiveram uma filha e ainda hoje dão as suas escapadinhas para fazerem o que mais gostam: dividir puns!

Mas a teoria do amor não diz que tudo deve ser compartilhado? No altar não se promete amar um ao outro em todos os momentos? Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na pobreza e na riqueza... Por que não acrescentar os puns como promessa?
O que vejo, na minha ótica mais crítica é que muitos dos “mentalmente perfeitos” precisariam de um pouco mais de insanidade em seus relacionamentos. Levar a vida, principalmente o amor, com menos seriedade e fazer desse sentimento um grande barato, uma piada de malucos. Seria legal não precisar ter a responsabilidade do amor maduro de vez em quando e deixar que os momentos “guti-guti” nos tomassem um pouco mais. Por mais insensato ou até ridículo que seja falar com o parceiro como se ele tivesse poucos meses de idade, criamos um código próprio para demonstrar um amor infantil, que de imaturo não há quase nada. É a forma mais espontânea de enxergarem um ao outro sem preocupar-se com os olhares perplexos que estão em volta.
Meu amigo, nos seus quase um metro e noventa de altura, um ícone de virilidade, não se envergonha de ficar em casa lendo livros de auto-ajuda enquanto a sua amante sai para beber com as amigas. Ele entende que deixar de jogar futebol com seus amigos possa deixá-la perturbada e insegura e por isso precisa de livros para “trabalhar” esse seu comportamento anormal. Vai entender o grau de loucura que o atinge quando abre mão de um prazer para satisfazer a um capricho da amante.
Mas quem estamos julgando? Não há julgamento no comportamento de duas pessoas que são felizes por estarem envolvidas em sua loucura. Principalmente se nesta loucura tiver a razão do amor. O amor é para ser louco mesmo! Quantos de nós não cometemos pequenas (ou grandes) loucuras por amor e nem nos damos conta?
Quantos de nós compartilhamos estranhos hábitos e formas de expressar o amor? Talvez aos nossos olhos tudo seja normal e se não for, o que é que tem?

Vou viver a minha vida, curtir o meu amor e preferir os loucos que amam a sensatos que apenas obedecem a um protocolo, que seguem uma fórmula velha e tentam dar razão a um sentimento sem regras. Vou tentar sentir mais a essência e os puns do amor. Vou me embriagar, me sufocar, me afundar nos livros de auto-ajuda, vou compartilhar... É! Vou compartilhar mais, afinal é disso que o amor se trata! Não quero ser rotulada! Quero ser louca e quero o meu amor louco comigo. Quero acordar e rir de mim, caçoar do meu companheiro. Contar estrelas no céu e dar nomes à elas! E as quero só para mim! Se eu errar a contagem, começo tudo de novo, afinal tenho muito tempo para contar estrelas! Vou oferecer uma, apenas uma ao meu amor. Isso prova que sou romântica e louca ao mesmo tempo e que nesta vida, de romântico e louco, todo mundo tem um pouco!"

P.S: (Mr.Jones) Jackie, sou um louco por amor, faço loucuras pela mulher amada e quero cometer mais maluquices ainda nessa vida. Porque nessa vida que já anda tão fria e sem sal, se eu não colocar meu tempero peculiar, eu  me mudo para outro planeta. (Mr.Bola de Vênus)

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…

A fórmula da hipocrisia

A Fórmula E por aí vai esse processo de coar e engolir. Coar e engolir. Coar e engolir (…). As máscaras da hipocrisia tapam para que os outros não vejam os seus próprios erros. Cobram para não serem cobrados. Requerem para não serem requeridos. Acusam para não serem acusados. Essa é a fórmula da hipocrisia: coar mosquitos e engolir camelos. Nas mãos possuem um pequeno coador que investiga os erros dos outros. No estômago, milhares de camelos, frutos das suas faltas pessoais. O coador filtra os mínimos pecados alheios. A garganta, que é o coração, observa a passagem de uma manada dos seus pecados. Como atores profissionais têm a capacidade de interpretar, fingir, enganar e até chorar se necessário. As máscaras demonstram homens ideais e mulheres perfeitas. Cuja aparência é digna de prêmio de integridade. Porém, chega o momento em que o camelo “entala” nas gargantas. A máscara é removida, quando não estilhaçada. Vislumbra-se, então, o ser humano na sua essência: Arrogância, infidelidade, …