Pular para o conteúdo principal

Você faz terrorismo com seu filho?



"Na semana passada a equipe de coleta do laboratório teve muito trabalho para colher sangue de algumas crianças muito bravas, em pânico mesmo, assustadas, com medo, tudo isso junto. Uma delas, com 6 anos gritava tanto e tão forte que foi necessário mobilizar toda equipe de coleta e mais alguns colaboradores para segurar a pequena paciente. Nesta mesma semana mais três pequenos deram um grande trabalho para deixarem coletar sangue.
Um deles gritava: “Tirar sangue não, não, agulha não. Mãe vamos embora, por favor. Eles vão arrancar meu braço, mãe, socorro”.
De nada adiantou a psicologia, a calma, a conversa empreendida pelas moças da coleta com o intuito de realizar o procedimento de retirada do sangue sem ter que usar a força bruta.
“Filho, não bata na sua irmã senão vou levar você para tomar injeção”. Não faça terrorismo com seus filhos.
Crianças ou mesmo adultos sentem medo, é natural, mas estou falando é de pânico, e grande parte dos casos de crianças que não aceitam de forma relativamente tranquila receberem a pequena espetada da agulha sem despejarem toda força de seus fortes pulmões em um choro desesperado e sofrível é devido a metodologia que o pai e a mãe usam para se impor em situações corriqueiras em outros momentos da vida.
Muitos pais fazem terrorismo com seus filhos dizendo, “Se não comer tudo, vou te levar para tirar sangue. Ou, “Se mexer mais uma vez no controle da televisão vou levar você para tomar injeção”. Esta metodologia é falha.
Digo que esta forma de agir, coagindo a criança, algumas vezes surte efeitos momentâneos, mas futuramente os problemas serão outros, medo, dúvida, angústia.
Observo no laboratório, e as colegas de trabalho que ficam mais diretamente neste setor também relatam, 80% das crianças que se desesperam exageradamente, entram em pânico, ocorrem em crianças que os pais aplicaram metodologia de coação." BY plugbr


Filho perde o braço e vai dormir para não levar bronca da mãe

Na última quarta, na cidade de Ulm, no sul da Alemanha, um garoto de 4 anos de idade perdeu o braço num terrível acidente doméstico e foi para a cama escondido, sem contar nada pra ninguém, com medo de levar bronca da mãe.Com ajuda de seu irmão mais velho, o garoto enrolou o braço em uma toalha e foi para cama. O irmão botou o membro amputado dentro do freezer e foi pra cama também.
Na manhã seguinte, quando a mãe foi acordá-lo, ele teria pedido desculpas por ter perdido o braço.
- Desculpa, mami. Eu fui brincar e perdi meu braço. Eu não queria, ele teria dito.



Comentários

  1. Que horror!! Ainda existe filho tão obediente assim? Que terror esta mãe deve tocar com os filhos...
    Parabéns pelo post, Dieguito

    ResponderExcluir
  2. coitadinha dessas crianças isso não se faz...

    ResponderExcluir
  3. Dieguito,

    Excelente postagem, pois a maioria dos pais fazem terrorismo com seus filhos inocentemente.

    Acredito que eu nunca fiz terrorismo não, mas algumas chantagens básicas sim... kkkkkk

    Hoje eu não tenho mais esse problema, mas, em compensação, tenho que fazer chantagem com minhas outras filhinhas na hora de levá-las ao Pet para tomar banho, ou quando elas não querem ir dormir... kkkk

    Bjs.

    Ro.

    ResponderExcluir
  4. Diego, eu so totalmente contra conseguir qualquer coisa na base do medo da criança. Prefiro trabalhar a ação e reação, ou seja, para cada ação da criança haverá uma reação do pais. Quando ele faz manha, perde totalmente minha atenção. Quando não cumpre suas obrigações, perde a recompensa desta ação. E sempre conversamos muito a respeito destes ganhos e perdas em relação a vida futura - amigos/trabalho, etc.
    A força física, o terrorismo... só levam ao medo e baixa estima, o que significa, insegurança e medo diante da vida.
    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  5. Diego,

    Eu sou anti-terrorismo. Seja ele qual for, muito mais se for feito contra crianças. Penso que é absurdo ameaçar as crianças com algo que simplesmente as põe em pânico. Há sempre que procurar alternativas e o diálogo é o melhor meio. Não ponho de parte uma palmada no rabo quando for necessário, mas ameaçar, não!

    Abraços
    Luísa

    ResponderExcluir
  6. Que Post Fantástico!
    AMIGO DIEGO

    O caminho é o diálogo, muito carinho e amor. Medo? Não devemos nem mesmo brincar de fazer. É como se abríssemos um abismo tamanho, gerando inseguranças de toda a ordem para o resto de suas vidas.
    Parabéns por mais um post magistral!
    Abraços fraternos,
    LISON.

    ResponderExcluir
  7. Olá Diego,

    Não, eu não faço terrorismo com minha filha, sou contra esta prática..

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Eu jamais faço terrorismo contando mentiras. Eu falo a minha filha sempre a verdade, para que ela precisa fazer certas coisas. Se achar que contar na hora será pior, deixo chegar e mostro a maior serenidade possível. Contudo... aquela coisa que ela tem como pai... conseguiu deturpar coisas simples que antes fazíamos. Exemplo:
    Ela tem um pé com sindactilia e é recomendável que visite anualmente o ortopedista, apesar de nenhum deles saber exatamente o que fazer... Depois que eu me separei foi um parto levá-la. Motivo: "meu pai disse que voce vai arrancar o meu dedo!". Eu consegui leva-la apenas uma vez e nada aconteceu demais. Contudo, não sei que tipo de lavagem cerebral se fez nela... porque ela mudou radicalmente.
    E tem mais, claro!

    ResponderExcluir
  9. Esse terrorismo que muitos pais fazem só atrapalha o lado emocional das crianças.

    Isso mostra como a educação anda falha hoje em dia, as crianças precisam de ameça para obedecer.

    Escritura Viva

    ResponderExcluir
  10. Amigo, parabéns pela postagem, pais não ssabem como agir com os filhos usam de meios errados.Ah e obrigado por visitar o meu blog...http://www.oamordedeusvive.com.br. que Deus o abençoe!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A fórmula da hipocrisia

A Fórmula E por aí vai esse processo de coar e engolir. Coar e engolir. Coar e engolir (…). As máscaras da hipocrisia tapam para que os outros não vejam os seus próprios erros. Cobram para não serem cobrados. Requerem para não serem requeridos. Acusam para não serem acusados. Essa é a fórmula da hipocrisia: coar mosquitos e engolir camelos. Nas mãos possuem um pequeno coador que investiga os erros dos outros. No estômago, milhares de camelos, frutos das suas faltas pessoais. O coador filtra os mínimos pecados alheios. A garganta, que é o coração, observa a passagem de uma manada dos seus pecados. Como atores profissionais têm a capacidade de interpretar, fingir, enganar e até chorar se necessário. As máscaras demonstram homens ideais e mulheres perfeitas. Cuja aparência é digna de prêmio de integridade. Porém, chega o momento em que o camelo “entala” nas gargantas. A máscara é removida, quando não estilhaçada. Vislumbra-se, então, o ser humano na sua essência: Arrogância, infidelidade, …

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…