Pular para o conteúdo principal

uma embalagem mal trajada pode acabar com todo o encanto do bombom.

A maldição da calcinha bege

 

É incrível como uma embalagem mal trajada pode acabar com todo o encanto do bombom. Um desleixo na hora da apresentação muitas vezes pode desestimular o cliente. Quantas vezes pessoas são seduzidas pelas cores ou embalagens ao invés da verdadeira necessidade de determinado produto? Tudo é propaganda, e ela é a alma do negócio.
Era uma vez, há muitos e muitos anos passados…
Um dia, uma bruxa malvada decidiu acabar com o sucesso que uma determinada moça do Reino fazia entre os súditos do sexo masculino. A tal bruxa, que malhava muito, já tinha aplicado meia dúzia de ampolas de botox e se achava a inventora da bu…, decidiu que iria enfeitiçá-la para que todo e qualquer homem que a despisse perdesse o tesão por ela. E assim a malvada seria, finalmente, a mulher mais cobiçada da região. A bruxa criou então uma roupa íntima até então jamais vista no Reino: uma calcinha bege, na qual lançou sua macumbinha.
Para convencer a pudica moça a usar a calcinha bege (que, horror dos horrores, ainda era daquele tipo sem costura), a bruxa enfeitiçou-a de duas formas diferentes. Todas as mulheres de bom coração do Reino veriam aquela peça como uma bonita calcinha, que modela o corpo, é confortável e que não marca nem mesmo com o vestido mais branco e justo. Ao mesmo tempo, os homens teriam grande chance de broxar ao contato com a roupa enfeitiçada – mas, como a bruxa também não era isso tudo na macumbinha, apenas os nobres de coração conseguiriam escapar ao feitiço.
Desde os longínquos tempos dos contos de fada, a mulherada vem usando as calcinhas beges e achando que não tem nada demais. Afinal, o que é o embrulho quando o presente está logo ali embaixo? Mas não é bem assim, todos sabemos disso. Calcinha também é um fetiche.

Tudo bem, a calcinha bege pode não ser a mais excitante das lingeries, mas, se o casal estiver bem entrosado, ela não deve ser responsável por cortar o clima. Afinal, quem tem de seduzir é a mulher, e não a roupa de baixo.

Eu vejo a calcinha bege também como um símbolo da acomodação em casais de longa data. Não é por que você namora há muito tempo ou se casou que não é preciso seduzir quem está a seu lado. Vivemos dizendo que a rotina acaba com os relacionamentos; então, porque não apimentar um pouco mais o que está morno?

Termino aqui com a frase que ouvi de um amigo em mesa de bar: “Calcinha bege inibe a libido. É o corta-viagra”, bradou. Seguindo esta lógica, calcinha bege seria sinônimo de pecado algum, nada de luxúria… Olha que vida chata!
Ah, e como toda história com moças pudicas e bruxas tem final feliz; a nossa mocinha também encontrou um príncipe e foi feliz para sempre. Mas só porque inventaram a calcinha de renda.

By  Biessa Diniz
Fonte: http://www.caixapreta.blog.br/?p=2236 

Comentários

  1. REALMENTE, PIOR QUE CALCINHA BEGE, SÓ O CONJUNTO,... CALCINHA E SUTIÃ BEGE!
    FELICIDADES,PAZ E SUCESSO!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Diego, Diego.... vou ser bem sincera, a bruxa não é tão malvada assim só porque criou a calcinha bege. O problema foi que ela conseguiu incutir na cabeça dos homens que esta calcinha tira o tesão... e sabe porque? Porque ela conta com um aliado muito forte... a convivência! As mulheres com o tempo deixam de lado a sedução (o homem também faz isto), esquecendo que o que deixa uma relação boa não é a cor da roupa íntima, mas os movimentos e as intenções por detrás desta vestimenta...
    Dependendo do que você fizer como preliminares pouco ou nada influenciará a cor da roupa íntima!
    A calcinha bege é fundamental no guarda roupa de uma mulher.... como peça chave por baixo de roupas, de forma que ela possa mostrar formas e corpo com classe.... e todo homem fica louco imaginando que não há nada ali por baixo....
    Portanto, vamos sim usar calcinhas bege (mas não só bege), preta, branca, azul, colorida,vermelha...nunca esquecendo de usá-las com sedução, porque senão são apenas calcinhas, bege, branca, preta, azul, vermelha.....
    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  3. Adorei o texto! Fizeste uma abordagem muito legal.
    Pode-se dizer que é um texto de utilidade pública! :-) rsrsrs
    Abraço, Fernandez.

    ResponderExcluir
  4. Diego,

    Calcinhas à parte, quero lá saber do que os machos pensam! ahahahhaha

    Beijos
    Luísa

    ResponderExcluir
  5. nossa ótimas dicas ,de hoje em diante so uso calcinha pretas de renda..ah mas sou alergica e agora? serve de algodão?? Concordo sim, que o presente tem que ter um lindo embrolho..insinuar e a recita ,bjoo

    ResponderExcluir
  6. E nós temos que aturar as cuecas mais sem graça do planeta e muitas precisando de aposentadoria há séculos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A fórmula da hipocrisia

A Fórmula E por aí vai esse processo de coar e engolir. Coar e engolir. Coar e engolir (…). As máscaras da hipocrisia tapam para que os outros não vejam os seus próprios erros. Cobram para não serem cobrados. Requerem para não serem requeridos. Acusam para não serem acusados. Essa é a fórmula da hipocrisia: coar mosquitos e engolir camelos. Nas mãos possuem um pequeno coador que investiga os erros dos outros. No estômago, milhares de camelos, frutos das suas faltas pessoais. O coador filtra os mínimos pecados alheios. A garganta, que é o coração, observa a passagem de uma manada dos seus pecados. Como atores profissionais têm a capacidade de interpretar, fingir, enganar e até chorar se necessário. As máscaras demonstram homens ideais e mulheres perfeitas. Cuja aparência é digna de prêmio de integridade. Porém, chega o momento em que o camelo “entala” nas gargantas. A máscara é removida, quando não estilhaçada. Vislumbra-se, então, o ser humano na sua essência: Arrogância, infidelidade, …

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…