Pular para o conteúdo principal

Um desabafo histórico

Pra começar, esse texto não é pra ninguém EM ESPECIAL, mas se aplica a algumas pessoas. É só um desabafo histórico, por assim dizer.



Quando conhecemos uma pessoa, construímos uma imagem mental dela. Dessa construção, é possível controlar apenas uma pequena parte. Uma parte muito pequena, ínfima. É uma construção demorada, que tem a ver com o que a pessoa te faz acreditar e com o que você vem a pensar dela.
Nada nem ninguém controla o processo de lembrança. De umas pessoas você lembra com carinho, de outras com um pouco de receio, de outras com um certo temor por saber que não são confiáveis, de outras você carrega um certo rancor por um motivo qualquer que de repente nem você sabe explicar...Mas de uma pessoa em especial você passa a gostar demais, tanto que chega a doer. Você tenta entender o que sente, mas não consegue. Quando desiste de entender, entende que é AMOR. E o tempo vai passando. Ninguém acerta ou erra sempre. Algumas vezes você acerta, outras você erra. E sempre acontece de alguém vir a amar você nesse período, e você se nega a receber o sentimento porque pensa dever fidelidade ao que sente por aquela outra pessoa. Só depois, tarde demais, percebe que errou.
Você percebe que errou, porque foi traído. Ou simplesmente não correspondido. Ou percebe que a pessoa é completamente diferente da construção que você fez. Ou aquela pessoa pra quem você dedica seu tempo, sua vontade, sua atenção e seu amor escolhe outra pessoa. Não que você tenha dedicado tudo isso esperando algo em troca. No meu caso, sempre tive consciência dos riscos que corria. O problema é que o fato de eu ter consciência nunca fez com que doesse menos.
E nota que o seu sentimento mais nobre está sendo jogado fora. E se arrepende. SE ARREPENDE. Muitos dizem que não se arrependem de nada do que fizeram, mas mentem. Mentem porque se arrepender e pensar que podia ter sido diferente é natural, inerente à espécie humana. Não tenho vergonha de dizer que me arrependo de um monte de coisas que fiz e que não fiz. Aquela pessoa que tanto te amava sofreu o quanto você sofre. E a vida continua.
A roda continua girando.
Foi só um desabafo.
Não precisa ser coerente. Não precisa ter uma lógica dura e estática. Não importa.
Nada mais importa. Vou seguir a minha vida.
E o que passou que se dane.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A fórmula da hipocrisia

A Fórmula E por aí vai esse processo de coar e engolir. Coar e engolir. Coar e engolir (…). As máscaras da hipocrisia tapam para que os outros não vejam os seus próprios erros. Cobram para não serem cobrados. Requerem para não serem requeridos. Acusam para não serem acusados. Essa é a fórmula da hipocrisia: coar mosquitos e engolir camelos. Nas mãos possuem um pequeno coador que investiga os erros dos outros. No estômago, milhares de camelos, frutos das suas faltas pessoais. O coador filtra os mínimos pecados alheios. A garganta, que é o coração, observa a passagem de uma manada dos seus pecados. Como atores profissionais têm a capacidade de interpretar, fingir, enganar e até chorar se necessário. As máscaras demonstram homens ideais e mulheres perfeitas. Cuja aparência é digna de prêmio de integridade. Porém, chega o momento em que o camelo “entala” nas gargantas. A máscara é removida, quando não estilhaçada. Vislumbra-se, então, o ser humano na sua essência: Arrogância, infidelidade, …

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…