Pular para o conteúdo principal

Qual o tamanho da sua vara de condão?



Ou o que importa é a mágica que pode fazer? Fomos descobrir com especialistas até que ponto o tamanho do pênis faz diferença no prazer que dá à mulher.

Por Camilla Cremácio

Quando a menina é pequena, falam para ela a história de que uma fada realizará seus maiores desejos com uma varinha de condão. Para os meninos não é assim. A versão é outra. Dizem que ele e sua varinha vão crescer e, com isso, realizar os maiores desejos das mulheres. Não tem jeito. Todo homem chega à vida adulta com a idéia de que seu poder está diretamente relacionado ao número de centímetros que mede seu pênis ereto.

É uma questão de cultura. Aqueles contos de que é possível saber quanto mede o instrumento apenas observando o tamanho da mão, do pé, do antebraço ou do nariz são tão verdadeiros quanto aquela outra de que nasce espinha no rosto ou pêlo na mão se o cara se masturbar. Algumas vezes o porte físico coincide com a medida do órgão sexual. E é só coincidência. Geralmente, é a genética que determina isso.

“O TAMANHO NÃO IMPORTA nem um pouco, nem em comprimento, nem em diâmetro. A vagina é uma estrutura elástica que se adapta a um pênis de qualquer tamanho”, sentencia Carla Cecarello, psicóloga e sexóloga responsável pelo site www.projetoambsex.com.br. O canal da vagina que acomoda o pênis mede de 7 a 8 centímetros quando em repouso.

Na fase da excitação, o útero se eleva e aumenta esse canal que passa a ter entre 14 e 16 centímetros. E isso é o mais longe que o pênis, tenha o tamanho que tiver, vai chegar. “Não quer dizer, porém, que um homem com um órgão maior que 16 centímetros vai machucar a mulher ou deixar de sentir prazer. Para que os dois cheguem ao orgasmo, basta que a cabeça e metade do corpo do pênis penetrem a vagina”, explica Carla.

Nessa história, como em outras questões (berros na cama, por exemplo), o cinema de sexo explícito tem culpa no cartório. Os filmes pornôs, por sobreviverem de imagem, exibem sujeitos com paus descomunais, que não representam a realidade da grande maioria dos homens (se representa a sua, lembre-se que só tamanho não basta). Por isso, alguns ficam traumatizados com seus pênis “normais”.


Mas eles não são os únicos afetados. Há mulheres que também criam expectativas em relação ao tamanho do pênis de seus futuros parceiros e se frustram muitas vezes com tanta expectativa. Sim, existem as que já deram para trás, ou melhor, deixaram de dar porque consideraram o instrumento insatisfatório. Segundo a psicóloga, essa atitude é mais do que condenável.

“Isso só prova que elas são tão desinformadas quanto aqueles traumatizados. As mulheres podem deixar de transar com homens bons de cama por preconceito”, declara. Mas também existem as que se espantaram com o tamanho, ou a falta dele, encararam e acharam bom. O que importa, e isso é opinião unânime entre elas, é que o cara mande bem. E “mandar bem” significa que você deve ser um bom amante. “Ao invés de se preocupar com o tamanho do pênis, ou se gabar, o homem deve saber dar prazer na cama”, afirma a médica.

UM BOM AMANTE TEM PEGADA. Ele deixa que a mulher seja sacana. “Elas carregam dentro de si uma puta, louca para sair. Puta no sentido de fazer de tudo. Só que a sociedade ainda é machista e a mulher espera que o homem dê aval para que ela mostre esse lado”, conta a psicóloga. Então, meninos, deixem o tamanho da varinha para lá e aproveitem a mágica que vocês sabem proporcionar.

Fotos: Símbolo Press

Fonte: Itodas – Corpo e Dieta

Comentários

  1. Que sirva de consolo aos menos privilegiados.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  2. Tamanho não é documento! hahahahaha

    bjsssssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Ora aí está um texto realista!
    Na minha terra é uso dizer 'vale muito mais pequenino e brincalhão, do que grande e molengão!' ahahahahha
    Abraços
    Luísa

    ResponderExcluir
  4. Pois é! Mas a lenda parece que veio para ficar porque até hoje cultuam os "grandalhões".Eu hein!!(rs).bjs

    ResponderExcluir
  5. Olha!!! alguem concorda comigo em gênero, número e grau.. e por falar nisso.. ODEIO PÊNIS GRANDE!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…

Dia do inimigo

Muita gente critica a comemoração do Dia do Inimigo. Dizem que é mais uma jogada comercial, uma data inserida no calendário apenas para aumentar os lucros de pistoleiros e espancadores profissionais.Mas nós, que somos de raiz, sabemos apreciar o espírito da coisa. E damos o maior valor àquela tramóia simples, executada sem grandes orçamentos, mas planejada com muito ódio no coração, que é o que importa. Inimigo de verdade não se importa com inflação, crise de alimentos, essas bobagens. Isso só motiva mais.
E como a data se aproxima, hoje vamos fazer um teste para você ver se está pronto para comemorar: 1 – Quantos inimigos você tem?
a) 0
b) 1
c) De 2 a 10
d) Parei de contar2 – Você já se reconciliou com um inimigo?
a) Sim
b) Nunca
c) Algumas vezes, para esfaquear pelas costas em seguida
d) O que é “reconciliar”?3 – Qual o maior motivo para iniciar uma inimizade?
a) Dinheiro
b) Ciúme
c) Inveja
d) Não preciso de motivos4 – Seu(sua) inimigo(a), vamos reconhecer, dá o maior caldo. Você pegaria?
a) Nem …