Pular para o conteúdo principal

"Não me olhe, como se a polícia andasse atrás de mim”

Por Lu Brasil - Lu Brasil.net
Sobre o dia em que quase eu vejo o sol nascer quadrado. 
 

 

Quando eu completei 15 anos fui morar num pensionato.
Sim desses pra moças (eu ainda era, tá?)
Ficava ali na Castelo Branco, uma casa belíssima, a dona estava passando por dificuldades e resolveu alugar os quartos, e morava lá também.
Eram 4 suítes, cada uma com 3 camas.
Imagina 12 mulheres que nunca se viram, com criações diferentes, terem que co-habitar

Sim era o big brother mesmo.
Muita confusão, arruaça, amizades…
Empresta empresta de roupa
Furto de comida. Briga pelo telefone.
Muita fofoca.

Eu dividia o quarto com a Socorro

Pausa

Se hoje eu beiro o TOC a culpa é dela, que teve que dividir o quarto com uma adolescente mimada e meio porquinha, a bicha me colocou nos eixos e se hoje eu limpo batente com escova de dente…obrigada Socorro)
Despausa

e a outra vaga geralmente ficava…vaga (blé)

Quem ocupava não passava mais que dois meses, e olha que o nosso era o quarto mais top, porque a gente era das mais antigas (morei muitos anos lá). A gente tinha regalias, eu por exemplo dormia quase toda noite no quarto da dona porque eu não era besta e era puxa saco eu era carente e a mais nova e chamava ela de Tia Mariana, e eu gostava mesmo dela como uma avózinha, eu nunca gostei de ter sido jogada no vento na cidade grande.

Eu também gozava (uhhh) da regalia-mor que era guardar minhas comidas na geladeira dos donos da casa, que era a prova de roubo.
Muitas passaram pelo nosso quarto.
Teve até uma que só depois que eu saí de lá que eu soube que era sapata e a fim de mim (ela resolveu sair do armário e falava pra todo mundo que delirava pela minha pessoa) e eu trocava de roupa na frente dela.

* nada contra as lesbogay, mas tudo contra as lesbogay a fim de mim. E ela nem fazia meu tipo.

Aí um certo dia chegou uma já meio senhora. Tipos que eu já tinha uns 20 anos (e ainda era moça), a Socorro 30 e a mulher tinha uns 48.
Ela era muito engraçada e sem noção, tipo aquela Cida aeromoça do BBB sabe? Mesmo cabelo, mesmo jeitão.
Assim logo na primeira noite ela tomou 3 lactopurgas na nossa frente e comentou que era porque na noite seguinte ela tinha um encontro “e vai que eu resolvo dar meu úc ne?”
“Classuda pra cacete”

Nada contra a pessoa fazer uso do seu lado B (eu não sei, eu era moça), mas tudo contra a pessoa contar sobre o uso assim na primeira noite.

Eu tenho pra mim (e a Socorro tinha pra ela) que a moça ficava se masturbando de noite, primeiro ela dormia no beliche na cama de cima e eu na debaixo, e as vezes a cama tremia esquisito.
Daí resolvemos deixar de ser beliche e parece que o lençol tinha vida propria lá pelas partes baixas da criatura.
Ah sei lá também poderia ser coceira.
O certo que apelidamos ela de “piriquitilda”

Então que piriquitilda levava sua vida de advogada fracassada de dia, estudante de filosofia de noite e dedinho nervoso de madrugada.
Aquilo nos incomodava por demais, a mim e a minha amiga Socorro, mas não tinha nenhuma regra quanto isso no pensionato.
Buuut, a gente contou pra todo mundo, porque gente já era baixa desde aquela época.
Conversávamos e ríamos muito de piriquitilda, na maior parte das vezes fazendo troça (troça? Quantos anos eu tenho pra usar essa palavra?).

Numa noite, Piri (ai bora abreviar que tá tarde?) aprumou-se toda, ela tinha um gosto duvidoso - não só pra comportamentos no primeiro encontro - para roupas.

Ah lembrei ela tinha uma filha, mas era impedida, pela sua própria familia, de ter contato com a mocinha , quem tem a familia de Piri não precisa de inimigos, e familia que tem Piri entre os seus precisa de conselho tutelar. É a vida.

Entonces que naquela noite Piri vestiu sua sainha de lambada e saiu por aí.
Foi-se faceira e serelepe pro forró da UFPA, avisou que chegaria só de manhã e que “a jiripoca ia piar” (ai meu Deus, definitivamente eu sou uma velha)

Eu, como de costume, costume de pessoa abusada, fui dormir no quarto da tia Mariana, passei uma noite ótima (desde aquela época eu era chegada num “dezesseis graus”), e ao acordar e ir pro meu aposento, encontro com uma Piriquitilda trêmula, feia e desesperada (tá, feia ela já era). “Fui assaltada”
“Como assim?”
“Ahhh, eu fiquei tão porre lá que pegaram a minha bunda bolsa que eu nem vi, ai meu Deus, meus documentos, minha OAB (que eu não sei pra que ela queria), meus vale transportes, meu dinheiro tooodo), meus lactopurgaaaas (tá isso eu tô inventando, mas seria firmeza ela falar)
“Quanto tinha piri, ops mana?”
“Tinha 80,00, tooodo o meu dinheiro”

Nisso eu, abestada e boa samaritana, vou a cozinha e encho o MEU copo com água e açúcar e levo pra ela se acalmar, enquanto Socorro a consolava .

“Amiga toma aqui essa água, olha e toma aqui esse dinheiro pra você ir lá no forró atras dos documentos, vai que depois de te comerem te roubarem tiraram o dimdim e jogaram a carteira lá neam?
“Olha, e pega mais esse aqui e vai na delegacia fazer um BO”

Piri se recompõe e sai pra tentar recuperar seus docs
Socorro começa a limpar o batente com escova de dente
Lu sai de cena pensando o que fazer com o copo contaminado…

Eis que no outro dia, Luciana vem chegando em casa, e dá de cara com um camburão estacionado do outro lado da rua, e como quem tem úc tem medo se esconde atras da primeira touceira que enxerga e fica analisando o movimento e mulher direita e honesta como é não teme.

Ed, o filho da dona da casa me interpela (falei bonito) logo na entrada
“Lu, o que você aprontou junto com a Socorro e a Piri?”
E la vai botar a cabeça pra pensar…”Strip? não. Estelionato, não. Atentado ao pudor? Não, huuum seja lá qual crime eu já cometi, nenhum foi em companhia das três”
“É que tem dois policiais, com um “convite” em mãos para levar pra averiguação a “Luciana de tal”, a “Socorro de tal” e a “Piriquitilda dos anzois pereira”

Nesse momento, o úc já não passava nem um átomo ensebado, pressão foi a 18 (pobre tem logo pressão alta, de tanto comer “compréto” de coxinha e suco a 0,50 cents).
E a luz se acendeu “Ei, se o meu nome e da Socorro é só “de tal”, como de Piri tá completo, com airbag e freio abs?”
Nessa hora me encontro com Socorro, mais pálida que nunca.

“Lu, acho que piri pegou nossa grana e foi ferrar com a gente”

É senhora dona de casa, a gente tenta fazer uma caridade, oferece um ombro amigo, uns lactopurgas vale transporte, pega perda total no próprio copo de estimação, e a criatura siririquenta sai de lá e em vez de fazer o BO, nos acusou de pegar a bolsa e roubar o dinheiro dela. Enquanto ela dormia.

“Posso trocar de roupa antes?” - Pergunta uma Lu totalmente assustada ao policial - “é que seu for vestida assim podem me prender por ganhar a vida fácil e…”

E la vai eu e Socorro vestir a melhor roupa, pegar a melhor bolsa, e rumar pra delegacia junto com os canas. Mas nós não fomos no camburão né? Fomos no banco de trás.

“Moço, qual delegacia hein?”
“Seccional do Guamá”
“PQP”
“O que?”
“Nada seu guarda”

Ai, pior que quase ir presa, é ir pra pior delegacia existente, até hoje o Ga me zoa por conta disso “Sua criminosa ralé”

Nessa época eu tinha um peguete, o Paulo Henrique, o cara era gato, lindo, alto, e cozinhava como ninguém, o defeito dele é que depois eu descobri que ele fumava maconha e …(ah depois eu conto). Então, esse PH era filho de “adevogado”.
Então “tira o fino da xiquêza”, menos de um mês de namoro e “Meu sogro, dá pro senhor vir aqui me tirar do xilindró que fui acusada de roubo? É aqui no guamá”
E lá se dirige o peguete e o sogro.
A mãe da meliante liga do interior e fica sabendo que sua filha foi detida pra averiguação.

E o dono do pensionato chama o advogado dele pra ir defender a gente, e vai junto com a mãe, Tia Mariana, dona do pensionato, pra mostrar que a gente era gente do bem e que não fazia mal a ninguém, tá. a gente fazia mal a muita gente, mas roubar nóis não roubava.

Nem Fernandinho Beira Mar contou com tanta gente pra se defender

Chegamos na delegacia, a vaca piriquitilda não compareceu.
Mesmo assim o delegado quis conversar com a gente.

Aí sabe aquelas cenas do CSI, aquela mesona, o policial, o vidro por onde os outros policiais assistem ao depoimento…?

FORGUÉTI!!!

Uma saleta suja, um delegado gordão e sebento, sentamos numas cadeiras de estofamento rasgado, lugar cheirava a mofo, cigarro e suvaco de gari.

Primeiro a Socorro foi depor
“Lu, bora combinar o que a gente vai dizer?”
“Pô Socorro, acorda, a gente não roubou nada, é só falar o que aconteceu, tamos
limpa dessa vez”
“Ah, é”

Depois fui eu.

Aí fiquei sabendo que Piri pegou nosso dinheiro, e realmente rumou pra delegacia, mas chegando lá ao invés de fazer o BO de que tinha sido roubada, fez uma acusação de que nós a roubamos no quarto enquanto ela dormia, e de uma quantia que hoje seria uns R$3.000,00.
“Dr delegado, o dia que aquela mulher tiver 3.000,00 reais o mundo acaba (e o estoque mundial de lactopurga e KY tambem”

DU-VI-DEO-DÓ, MACAXEIRA E MOCOTÓ

E lá eu fui contar a historia de que nem no quarto eu tava, que até agua no meu copo de estimação eu tinha dado, e blablabla.
(eu tinha mesmo um copo de estimação, era dos 101 dalmatas, pára ô!”)
Passei quase uma hora falando, e depois chegaram os advogados, (a minha mãe não foi, pressão alta e pobre e tananan tananan…)

Conversaram pra lá e chamaram a gente

“Olha aqui meninas, de cara olhando pra vocês eu vejo que ela mentiu porque ela me pareceu muito pé-rapada, “tenho pra mim ” que era mais fácil ela roubar de vocês do que vocês dela, e o fato da autora não ter comparecido também depõe contra ela e blablabal, e vou arquivar, a ficha de vocês vai ficar limpa eblablab”

Imaginário:
“Ah dr e nem vamos fazer aquela foto com os numerinhos e tocar piano? Sem graça”


“e balbalbla, a moça é sem noção, Praxedes, encerra o caso que não é quente não, pode liberar as moças”

Nisso os advogados já haviam saído da sala, eu e Socorro rindo de orelha a orelha pois além de inocentes tínhamos sido chamadas de rica e bem vestidas (mesmo que o cartão “losângulo” não tivesse pago e nosso nome no spc).

“Meninas, só queria fazer mais uma pergunta”
“No que vocês vão gastar o dinheiro?”

E nessa hora o local é invadido pelos paparazzi, pedidos de autógrafo e editoras querendo escrever um livro com a nossa história semi-alcatraz.
“Se virar filme dá pra Kate Hudson fazer a Luciana?”
Ai gente, tenho fixação na Kate Hudson, tá?

Música de final de filme de quinta ON

Socorro: ainda moramos juntas mais uns três anos, meu TOC piorou, e nunca mais fomos presas, perdi totalmente o contato, mas morro de saudades.
Piriquitilda: Ainda foi no pensionato, pegou esporro do Edi, que ameaçou processa-la, disse que não tinha certeza se tinha perdido a bunda bolsa no for-all ou em casa, e que quando eu fui dar água pra ela eu fui me tremendo de nervoso.
Deve ter falecido por conta de suas hemorróidas

E fim



história enviada por Lu Brasil.

Comentários

  1. Óteeeema a história!!!!!kkkkk.....KKK.....
    Esse Blog vai bombar!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem q não tomei lactopurga senão tinha me "borrado" toda d tanto rir! Ameiiii!

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Muito bom mesmo!
    (ri alto)

    ResponderExcluir
  4. Primeiro _ Um relato desse só podia ser da Lu
    Segundo - gargalhei!!!
    Amei!

    ResponderExcluir
  5. A primeira vez q li esta historia quase surtei de tanto rir,,,
    Lubrasil é unica
    bjs bixas,,adoreiiiii

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…

Dia do inimigo

Muita gente critica a comemoração do Dia do Inimigo. Dizem que é mais uma jogada comercial, uma data inserida no calendário apenas para aumentar os lucros de pistoleiros e espancadores profissionais.Mas nós, que somos de raiz, sabemos apreciar o espírito da coisa. E damos o maior valor àquela tramóia simples, executada sem grandes orçamentos, mas planejada com muito ódio no coração, que é o que importa. Inimigo de verdade não se importa com inflação, crise de alimentos, essas bobagens. Isso só motiva mais.
E como a data se aproxima, hoje vamos fazer um teste para você ver se está pronto para comemorar: 1 – Quantos inimigos você tem?
a) 0
b) 1
c) De 2 a 10
d) Parei de contar2 – Você já se reconciliou com um inimigo?
a) Sim
b) Nunca
c) Algumas vezes, para esfaquear pelas costas em seguida
d) O que é “reconciliar”?3 – Qual o maior motivo para iniciar uma inimizade?
a) Dinheiro
b) Ciúme
c) Inveja
d) Não preciso de motivos4 – Seu(sua) inimigo(a), vamos reconhecer, dá o maior caldo. Você pegaria?
a) Nem …