Pular para o conteúdo principal

Há uma grande diferença entre Don Juan e Casanova - tipos que muitos confundem.



"Renato Janine Ribeiro organizou em 1988 uma coletânea de ensaios sobre Don Juan, que foram reunidos numa obra que se chama: "A SEDUÇÃO E SUAS MÁSCARAS".
Trago aqui, alguns extratos do seu artigo, "A POLÍTICA DE DON JUAN" da forma mais resumida que me foi possível.
Casanova é personagem histórico. Andarilho de classe, o cavaleiro de Seingalt (título que deve ao rei de França), apaixona-se, possui a amada e depois volta seu interesse para outra - sem, porém, perder o gosto pela anterior, sem lhe querer mal algum.
Isto se prende a uma auto-educação sentimental que começa quando, adolescente, Casanova passa uma temporada em Pasiano di Pordenone, no Friuli; conhece então Lúcia, de 14 anos, filha do caseiro, que - como narra - vem todo dia brincar, inocente com ele, na cama. Mas, por respeito a ela, por recear desonrá-la, ele se abstém de possuí-la: mas poucos meses depois fica sabendo que um criado da propriedade, "patife", a seduziu, engravidou, e acabou lançando-a na prostituição.
Assim, Casanova condena, em nome da prudência, as boas intenções, a moral da castidade.
Casanova não critica apenas a vanidade de querer decidir, num mundo feito de imprevistos, a tolice de querer governar uma vida que, para o viajante, aventureiro, é por definição aleatória.
A descoberta que faz é mais precisa; induz, justamente, não a entrega ao acaso, mas a formulação de um "sistema", de uma "condução prudente":
..."por que conter o desejo que nos arrebata? Se há delicadeza no cortejar, por que se abster do sexo em nome de preconceitos vãos, que apenas farão mal a todos, ao homem e à mulher igualmente frustrados"?

Don Juan age de outro modo. É uma fantasia corrente, por sinal, atribuir-lhe realidade.
Ora, Don Juan jamais quer amar, ao contrário de Casanova. Nunca o vemos apaixonado. Na brilhante invenção de Lorenzo da Ponte, ele arrola suas conquistas num catálogo, que por sinal, depois será ordenado segundo a condição social dos homens de quem roubou as mulheres. Aliás, a própria posse é de certa forma duvidosa. Ele falha com Donna Anna, de Donna Elvira se desinteressa, a criada desta ele não chega a conquistar, nem Zerlina.
..."porque a Don Juan pouco importa o gozo físico, sexual, o que conta é a vitória sobre a alma, a entrega a ele do desejo. Sensual ele é, e muito, mas o sexual de Don Juan é governado pela honra"...
Mas a honra de Don Juan, deve-se apenas, insistentemente, a si mesmo. Ele a consegue graças as suas conquistas. Porque há um roteiro segundo o qual ele as efetua.
A prática de humilhar o adversário tirando-lhe a mulher, Don Juan a leva ao extremo. Cada mulher (ou homem?) que ele desonra aumenta os seus títulos. Acresce o seu demonismo.
O demonismo em Don Juan, é uma categoria ética e política. Ética, porque ele mente sem a menor vergonha quanto ao que aparece como mais elevado e nobre na relação entre seres humanos: nas questões de amor, que mais confiança, absoluta mesmo, exigem.
Don Juan, nas mais famosas versões, de Molière e Mozart, termina agarrado pelo demônio. Ele visa ao poder em suas relações (aparentemente) amorosas: sacrificar as mulheres à sua glória, pela glória de dominar os homens. Os valores morais perdem-se em favor dessa meta suprema, a política ocupando o lugar dos afetos.
Temos, de qualquer forma, entre Don Juan e Casanova, uma diferença de atitudes no tocante à conquista e ao gozo.
O de Casanova é, sobretudo cauteloso. A cada passo de sua carreira esse homem, que quer brilhar (e não acumular dinheiro: sua prudência não é burguesa; quer dinheiro para gastar, não para ter), monta o seu uso dos prazeres: como tê-los em maior quantidade, como evitar riscos - doença venérea, aborrecimentos. Aliás, está mais  empenhado em esquivar à doença venérea, que lhe fará mal,  do que em evitar filhos, que ficarão para a mulher. Daí também que não conteste a relogião e a política - embora tenha passado tempos na cadeia dos Piombi, e durante muito tempo não pudesse retornar à Veneza.
Já Don Juan, em sua carreira, em sua corrida (pois o tempo é rápido: mais dez, só esta noite), traça um destino que escapa ao humano, e por isto, não tem o que fazer com a prudência, a medida, as precauções. A hybris o condena, o fogo traga o fogoso.
Don Juan escapa ao humano, mas também, já de início, por seu nascimento: personagem sem existência real ou histórica.
Porém, e este talvez seja o ponto a realçar, não cessa a pergunta sobre sua realidade histórica. Constantemente, em seu caso, a vida parece imitar a arte; essa figura literária nos induz a ver imitações, a decifrar condutas mediante a ferramenta do mito, que nós, espectadores do social, impomos como rótulo a alguns.

Resta perguntar, somente, se durará muito esta experiência, esta relação com o ficcional, que é um dos alicerces para Don Juan. Outro alicerce, aliás, é que ele parece permitir a compreensão de comportamentos e atitudes, que vemos e temos; parece: porque os Don Juans de hoje dificilmente terão a idéia de honra, o demonismo, que fez fugurarem os do século XVll e XVlll.
As experiências que nos vinculam a Don Juan são, assim, tanto a psicológica quanto a literária, datadas em seu início, e - quem sabe? - talvez no seu fim; mas por quanto tempo elas ainda viverão, não sabemos, - ainda mais porque o nome fica, o seu fascínio igualmente, depois que se esvaneceram as condições de sua criação e definição."

Fonte: Espaço da Rita

Comentários

  1. INFELIZMENTE O MUNDO ESTÁ CHEIO DE DON JUANS....
    MAS A CERTO PONTO NOS VEM UMA DÚVIDA, E AS MULHERES PREFEREM UM DON JUAN, DESPROVIDO DE INTERESSES MAIORES, OU UM CASANOVA QUE NÃO DESCANSAR ATÉ LEVA-LA AO ALTAR?
    NÃO SEI NÃO, AS MULHERES ESTÃO TÃO DIFERENTES NÉ?

    ResponderExcluir
  2. Ta ai, uma boa explicação Diego, gostei interessante.
    A paz

    ResponderExcluir
  3. Grandes diferenças...deveria tambpem falar das mulheres por eles envolvidas...e seus motivos para a entrega, ou recusa....grande post.bjs

    ResponderExcluir
  4. É uma explicação extraordinária! Gostei mesmo. Não sei qual dos dois prefiro. Talvez nenhum! No fundo são ambos pouco originais na sedução.

    Grande abraço
    Luísa

    ResponderExcluir
  5. Entre o gozo e a conquista ... bem, na verdade a dúvida não é assim tão cruel, um é o marketing e outro é a ação. Sei lá, ou não.

    ResponderExcluir
  6. Don Juan e Casanova incríveis na arte de conquistar e isso atiça as mulheres, mas, no fundo, o que elas querem mesmo é só o charme deles num homem comum. Simples assim.
    Muito bem explicado, gostei de ler o post, beijo.

    ResponderExcluir
  7. É Diego vivendo e aprendendo, é muito grande o abismo que separa essas duas condições e elas... Dificilmente saberão ao certo qual escolher.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  8. Diego, eu, claro, conhecia historias de cada, mas nunca analisei os dois assim separadamente e o que representaram para a sociedade. Don Juan é o sedutor, assim o vejo. Sentaria (ficticiamente) ao lado dele para ver do que seria capaz, ouviria e observaria. Bom para poesias...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…

Dia do inimigo

Muita gente critica a comemoração do Dia do Inimigo. Dizem que é mais uma jogada comercial, uma data inserida no calendário apenas para aumentar os lucros de pistoleiros e espancadores profissionais.Mas nós, que somos de raiz, sabemos apreciar o espírito da coisa. E damos o maior valor àquela tramóia simples, executada sem grandes orçamentos, mas planejada com muito ódio no coração, que é o que importa. Inimigo de verdade não se importa com inflação, crise de alimentos, essas bobagens. Isso só motiva mais.
E como a data se aproxima, hoje vamos fazer um teste para você ver se está pronto para comemorar: 1 – Quantos inimigos você tem?
a) 0
b) 1
c) De 2 a 10
d) Parei de contar2 – Você já se reconciliou com um inimigo?
a) Sim
b) Nunca
c) Algumas vezes, para esfaquear pelas costas em seguida
d) O que é “reconciliar”?3 – Qual o maior motivo para iniciar uma inimizade?
a) Dinheiro
b) Ciúme
c) Inveja
d) Não preciso de motivos4 – Seu(sua) inimigo(a), vamos reconhecer, dá o maior caldo. Você pegaria?
a) Nem …