Pular para o conteúdo principal

QUEM AMA O FEIO, bonito lhe parece. Ops, quis dizer, É CEGO MESMO.

O Bruno Freitas fez esse texto referente a pessoas feias.
Você concorda com ele?

Quem ama o feio é cego, ou como diria Vinícius de Moraes; "as feias que me desculpem, mas a beleza é fundamental".

Dizem que o amor é cego, mas deve ser também surdo, mudo, imbecil e paralítico, ou como diriam os politicamente corretos, "deficiente físico". Outros dizem que o verdadeiro amor não existe, ainda mais pelo feio. O feio nunca pode ser amado, no máximo, compreendido e respeitado. O feio não tem vez num mundo de regras ditadas pelas super-modelos com suas medidas raquíticas, esqueléticas e desnutridas.

O feio só tem vez com as sado-masoquistas, ou bem com aquelas mulheres complicadíssimas que não sabem o que querem, e fazem questão de machucarem-se a si mesmas. Mas mesmo assim, essas mulheres não amam o feio mais do que odeiam a si mesmas. Elas querem em primeiro lugar, seu próprio descontentamento, e investem em relações com inúmeros tipos de feios.

Existem dois tipos de feios; os feios superficiais são até simpáticos, apesar de serem feios demais, os feios artificiais podem ser até bonitos, mas são realmente feios por dentro. Os feios superficiais sempre são considerados simpáticos demais, e não o suficiente para serem considerados bonitos. Os feios artificiais são bandidos e maus de caráter, e são os preferidos das mulheres complicadíssimas que não sabem o que querem.

Quem disser que ama o feio, é porque é cego, míope, ou vesgo dos olhos. Nem mesmo adianta dizer que para o amor não existe feio ou bonito. Para amar uma pessoa é preciso conhecê-la. Quem é que vai querer conhecer o feio?

O feio é sempre o simpático da turma, pois dizer que ele é simpático é uma forma gentil de chamá-lo de feio. O feio, vez ou outra, é o palhaço da turma, pois a graça é o meio encontrado para chamar a atenção. O feio, às vezes, é o maluco da turma, aquele que nunca mede as conseqüências, e nunca tem nada o que perder.

Ser feio é padecer no paraíso da suruba e não comer ninguém. Ser feio é ver a velha camisinha perder a validade em algum bolso escondido da carteira. Ser feio é ter que improvisar melhor que qualquer outro. Ser feio é estar sempre evitando espelhos e dando pouco à sua aparência. Ser feio é não ser vaidoso. Ser feio é ter cadeira cativa no clube dos corações solitários.

Quem ama o feio só pode mesmo ser cego. Agora, se a beleza da alma lhe alcança de tal maneira, que você não pode evitar de encontrar a beleza em qualquer dragão, vá em frente, encontre uma caverna e seja feliz. Mas lembre-se do que diria Jorge Ben; "...que lugar de dragão é na caverna".


Todo mundo tem mania de zuar quando encontra uma pessoa feia. Não adianta que é quase irresistível ver alguém MUITO feio e não comentar.
Só que esses dias eu estava reparando...E quando uma pessoa que também é feia fala de alguém que é feio?? Isso é contraditório ou não??

Eu andei percebendo que, não é só porque a pessoa é feia que ela não tem noção de beleza....Então, ela pode facilmente achar alguém feio. Mas é estranho dependendo do grau ela deveria guardar a opinião só pra ela, pq ficaria desproporcional!!Não acham?


Enfim, esse post é mais uma polêmica do que uma opinião.
Ainda não cheguei a uma conclusão exata do assunto, mesmo porque não é nada relevante mesmo.
E de tanto essas pessoas ficarem reparando demais nos outros e não deve SE enxergar!!! Depois não sabem pq ficam sozinhos.

P.S1- Ah, e realmente, aquela teoria de que não existe pessoa feia, você que bebeu de menos acontece MESMO!!!!!
P.S.2- Dinheiro também faz milagres. Não no sentido do interesse, mas sim que ele dá uma boa arrumadinha nos feios.

"Mais vale ser belo do que bom, porém, mais vale ser bom do que feio" (Oscar Wilde)

Comentários

  1. hehhe É por isso que estou assim
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  2. Bem, mesmo não concordando integralmente com o autor do texto, eu diria que ele é faz uma análise racional, transmitindo bem os seus sentimentos em relação aos "feios", que acredito serem os sentimentos de muitas pessoas.

    Abraços
    Luísa

    ResponderExcluir
  3. É me sinto feia, mas tenho noção da beleza, sei que tem piores e melhores que eu, tanto por fora, quanto por dentro rsrs.
    abraço

    ResponderExcluir
  4. É relativo tudo isso, mesmo assim melhor que essas pessoas das fotos eu sei que eu sou. xD

    ResponderExcluir
  5. bem a sempre um pe feio pra outro
    o que a de tao errado em ser feio
    como alguem poderia saber que e lindo
    se nao tivesse um feio por perto
    como ele ou ela poderia sorrir e dizer que feliz
    pois nasceu privilegiada

    ResponderExcluir
  6. Eu acho que cada um ve a beleza de uma maneira. Cada um tem seu grau de exigencia. Eu acredito que nesse mundo só não tem lugar para o amor bandido. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Cada pessoa tem seu gosto se gosta de ser feio que seja o problema é da pessoa agora se a pessoa quer ser bonita é melhor ainda q se dá valor

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pseudolalia - Doença da mentira

Pseudolalia - Doença da mentira A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.

A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contacto humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.

As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real. Por fim o vício de mentir é um acto inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.
Mentirosos compulsivos.

Há quem diga mentiras caridosas.
Há quem minta por vício.
Há quem diga meias verdades.
E também há quem diga sempre a verdad…

A Sexualidade Precoce

Continuando a coluna polêmica, hoje a minha convidada é a MARI COSTA do blog COMO SER UM PROFISSIONAL DE SUCESSO (Faça uma visita e confira).


No mundo contemporâneo, as crianças estão começando cada vez mais cedo a descobrir a sexualidade, não aquela sexualidade que Freud afirmava que a  função sexual existe desde o princípio de vida, logo após o nascimento e não só a partir da puberdade como afirmavam as idéias dominantes,escandalizando  a sociedade repressora daquela época ,Freud delineou uma teoria da desenvolvimento psicosexual com cinco fases distintas: o estágio oral (0 - 1,5 anos) onde sua principal região de prazer é a boca; o estágio anal (1,5 - 3,5 anos) quando região de prazer se desloca para o ânus; o estágio fálico(3,5 - 6 anos) quando dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto e culminou com a resolução do Complexo de Édipo nos meninos, já as meninas o complexo de Édipo nunca se desfaz, seguida de um perío…

A fórmula da hipocrisia

A Fórmula E por aí vai esse processo de coar e engolir. Coar e engolir. Coar e engolir (…). As máscaras da hipocrisia tapam para que os outros não vejam os seus próprios erros. Cobram para não serem cobrados. Requerem para não serem requeridos. Acusam para não serem acusados. Essa é a fórmula da hipocrisia: coar mosquitos e engolir camelos. Nas mãos possuem um pequeno coador que investiga os erros dos outros. No estômago, milhares de camelos, frutos das suas faltas pessoais. O coador filtra os mínimos pecados alheios. A garganta, que é o coração, observa a passagem de uma manada dos seus pecados. Como atores profissionais têm a capacidade de interpretar, fingir, enganar e até chorar se necessário. As máscaras demonstram homens ideais e mulheres perfeitas. Cuja aparência é digna de prêmio de integridade. Porém, chega o momento em que o camelo “entala” nas gargantas. A máscara é removida, quando não estilhaçada. Vislumbra-se, então, o ser humano na sua essência: Arrogância, infidelidade, …